segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Natal de esperança

O sol já tinha desaparecido do outro lado do morro, quando seu corpo pendeu junto à calçada. Cansado de mais um dia de mãos vazias, ele não tinha coragem de chegar em casa sem comida para a esposa e filhos. A garoa fina que caía com o objetivo de amenizar o calor, se misturava em seu rosto com as lágrimas, diminuindo o gosto amargo da tristeza e da dor. A noite já se fazia presente quando sentiu que deveria retomar o rumo de sua casa, mesmo sem nada a oferecer, mas sabia que a família entenderia sua situação e dividiram, mais uma vez, os pedaços de pão ganhos no início da semana. Quando a garoa parou, seus passos ganharam o pé do morro que ele começou a subir, em busca do pequeno barraco em que morava. Foi então que lembrou que era noite de Natal, pois as pessoas percorriam o caminho contrário ao seu, felizes e sorridentes, rumando para a celebração na pequena igreja que ele passara desatento três quarteirões atrás. Interrompeu os passos ao notar sua mulher e seus três filhos menores, descendo o morro. Ficou envergonhado ao ver a alegria de sua família, ao perceber Júnior de camisa nova, Pedrinho calçando um tênis novo e Paulinha com um lindo vestido azul que ele nunca vira em casa. Sua mulher também estava de roupa nova e ele não preciso dizer uma palavra, ao perceber que sua roupa rasgada destoava diante de tanta beleza. Foi a esposa que explicou as doações ocorridas nos barracos durante o dia. E as novas roupas dele estavam em casa e ele precisava se trocar depressa, pois já estava atrasado para a cerimônia de Natal na igreja. Beijou a família e subiu o morro em busca de um banho e uma roupa nova. Não demorou a chegar à igreja. A missa já começara, mas a alegria era tanta que esqueceu a fome batendo em seu estômago. Foi então que o padre falou em partilha, na importância de todos serem irmãos e ele segurou as mãos da esposa, ao saber que, terminada a missa, um grande banquete seria servido na igreja. Para que todos tivessem um Natal cheio de felicidade. E foi então que se lembrou de agradecer o menino Deus que nascia naquela noite, só para mostrar ao mundo que a partilha é o melhor caminho para um mundo cheio de paz e felicidade. E aquele Natal transformou suas vidas e começou a mudar o mundo! (FELIZ NATAL A TODOS!)

Um comentário:

  1. "O natal dos sonhos é quele que você idealiza no espírito, sente no coração e partilha na solidariedade!"

    Faço minhas as palavras da jornalista Gislaine Schineider.

    ResponderExcluir